Cannabis.com.pt
Novo Fórum em:

forum.cannabis.com.pt

Peixe e fruta aumentam a inteligência

Ir em baixo

Peixe e fruta aumentam a inteligência

Mensagem por WhitBud em Qua Jul 29, 2009 6:14 am

O bom funcionamento do cérebro está na base de um quociente de inteligência (QI) elevado, um comportamento escolar exemplar ou uma memória afinada. Esta é uma afirmação consensual. Mas o que é preciso para que o cérebro funcione bem? A resposta passa por uma alimentação correcta, capaz de potenciar as capacidades da criança ou do adolescente.

É pelo menos essa a convicção de vários nutricionistas, entre os quais o britânico Patrick Holford, autor de "Alimentação Ideal para Crianças Inteligentes", nas livrarias nacionais desde Maio. Holford reconhece que a estrutura do cérebro é determinada geneticamente e que, nesse aspecto, é inalterável. Contudo, salienta que o que lhe é fornecido como alimento, em conjunto com o que aprende, contribui para o seu desenvolvimento. E é neste capítulo que o autor defende que a nutrição ideal depende de cinco alimentos. Em primeiro lugar, o equilíbrio de açúcar no sangue, o "supercombustível do cérebro".

Deve evitar-se a ingestão de hidratos de carbono refinados, ou de absorção rápida (como bebidas gasosas, bolachas ou até pão branco com compota), já que fazem disparar os níveis de açúcar no sangue, daí resultando, mais tarde, uma grande quebra de energia. Os bons substitutos são, segundo o especialista, os hidratos de carbono complexos, ou de absorção lenta, como os cereais integrais, os vegetais e os feijões. O pequeno-almoço é uma refeição essencial. Como diz a nutricionista Paula Veloso, "sabe-se há muito tempo que a omissão do pequeno-almoço origina uma falta de atenção e concentração que se reflecte não só no rendimento escolar e na produtividade como no estado de cansaço e no humor". Acrescenta ainda que a glicose no sangue de uma criança que não faça esta refeição origina irritabilidade, o que pode "criar um mau clima na sala de aula".

Também os ácidos gordos essenciais (como a própria designação indica) são fundamentais para o cérebro e Holford atribui-lhes grande importância quando o que se pretende é tirar todo o partido das capacidades cognitivas. Segundo o nutricionista, os ómega 3 e ómega 6 promovem a saúde mental, já que a carência pode resultar em depressão, dislexia, hiperactividade com défice de atenção, fadiga, problemas de memória e mesmo autismo. O autor lamenta a actual "fobia às gorduras", que classifica de boas e más, e garante que as primeiras, ou seja, os ómega, devem ser consumidas sem receio. Para Holford, são boas fontes de ómega 3, entre outras, as sementes de linhaça, de cânhamo e de abóbora, assim como o salmão, o arenque e a sardinha. Quanto aos ómega 6, destaca as nozes, milho, sésamo, óleo de onagra e sementes de groselha preta.

Rui Costa, neurocientista do National Institutes of Health (NIH, Instituto Nacional de Saúde) dos Estados Unidos, assegura que a alimentação é muito importante para o cérebro. Este especialista em memória refere que alguns dos alimentos defendidos por Holdorf "têm realmente efeitos benéficos comprovados, como os suplementos de óleo de peixe para crianças com autismo (e outras crianças)", mas ressalva que "para outros alimentos há menos evidência científica".
Peixe e fruta aumentam a inteligência




O uso de fosfolípidos é outra regra de ouro para potenciar as capacidades das crianças ou adolescentes. Diz Holford que estas gorduras "inteligentes" do cérebro - presentes no peixe, ovos, carne de órgãos (como fígado) e lecitina derivada de soja - melhoram o humor e o desempenho mental.

Os aminoácidos, fornecidos pelas proteínas, são considerados "os pilares da vida". Têm grande importância na criação de novos neurotransmissores e estão presentes em alimentos como carne, lacticínios e lentilhas. Na opinião do especialista em nutrição, devem ser consumidos em todas as refeições. Por último, Holford defende a ingestão de vitaminas e minerais, que têm um papel-chave na construção e reconstrução do cérebro e do sistema nervoso. Considera que os nutrientes mais importantes para o cérebro são as vitaminas B1, B3, B5, B6, ácido fólico e B12, e o magnésio, o manganês e o zinco.

E o nutricionista britânico diz mesmo que ingerir mais do que os níveis básicos da dose diária recomendada (DDR), através de suplementos, irá estimular a inteligência. Para a presidente da Associação Portuguesa dos Nutricionistas, Alexandra Bento, a suplementação de algumas vitaminas "não traz riscos para a saúde, como é o caso da vitamina C, mas é preciso cautela com outras, como a E, que, embora tenha um papel importante para o cérebro, não é hidrossolúvel". O director do Instituto Macrobiótico de Portugal, Francisco Varatojo, defende que, não havendo carências, os suplementos são dispensáveis, já que "a Natureza disponibiliza tudo o que precisamos". Além disso, refere, "os órgãos excretórios têm sempre que eliminar o que está em excesso, com consequente sobrecarga" dos mesmos. "Nada é 100% inócuo", conclui.

Fonte: Expresso
avatar
WhitBud

Mensagens : 190
Data de inscrição : 06/07/2009

Sistema de Cultivo
Tipo de Cultivo:
Iluminação:
Substrato:

http://www.cannabis.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum