Cannabis.com.pt
Novo Fórum em:

forum.cannabis.com.pt

WebQuest do "Clube do Professor Gaúcho"

Ir em baixo

WebQuest do "Clube do Professor Gaúcho" Empty WebQuest do "Clube do Professor Gaúcho"

Mensagem por mortalha em Sex Ago 28, 2009 2:00 am

Foi feito um tutorial para um posterior teste a professores "gaúchos" do Brasil. Os resultados não os encontrei mas achei relevante mostrar os textos apresentados a pessoas que formam outras. Encontrei alguns mitos assumidos como verdades. Ora vejam:

Estrutura Química

A Canábis contém aproximadamente 400 substâncias químicas, entre as quais destacam-se pelo menos 60 “canabinóides”, que são os responsáveis pelos seus efeitos psíquicos.

Canabinóides Psicoativos

Os principais canabinóides psicoativos são o Delta-8-THC, Delta-9-THC.

Delta-9-THC

O Delta-9-tetrahidrocanabinol (Delta-9-THC) é o mais abundante e potente destes compostos, sendo o principal responsável pelos efeitos psicoativos e propriedades reforçadoras dos canabinóides.

Concentração Tóxica

A concentração tóxica de Delta-9-THC é estimada em torno de 20 a 30mg. Normalmente a concentração de Delta-9-THC nos cigarros ou “baseados” varia entre 2,5 a 20mg. Portanto, ao considerarmos que um cigarro contém 500mg de maconha (ou seja, 5mg de Delta-9-THC) serão necessários 4 a 8 cigarros por dia para atingir-se os efeitos tóxicos. Um cigarro de maconha com 250 a 500 mg é capaz, dentro de 15 minutos, de produzir uma intoxicação moderada.

Ação da maconha no SNC
WebQuest do "Clube do Professor Gaúcho" Src

WebQuest do "Clube do Professor Gaúcho" Snc1

Absorção

Via de Administração

A via de administração mais comum é a inalada. Quando ingerida os efeitos farmacológicos são menos intensos e mais demorados. Por causa da alta solubilidade lipídica e a primeira passagem pelo metabolismo hepático, somente 10 a 20 % da dose alcança a circulação quando administrada oralmente. A intensidade dos efeitos farmacológicos é cinco vezes maior, quando a canábis é inalada em comparação à absorção oral.

Início de Ação

Os efeitos farmacológicos pela absorção pulmonar podem demorar de 5 a 10 minutos para iniciarem-se, necessitando-se de apenas 14 segundos para o THC atingir o cérebro, enquanto que a absorção oral pode demorar de 30 a 45 minutos.

Intoxicação

Em geral, os principais efeitos psicoativos (euforia e aumento do apetite) iniciam-se dentro de 10 minutos, atingindo um pico de intoxicação, que varia de acordo com a via de administração, oral (45 a 60 minutos) ou pulmonar (10 a 30 minutos), durando em torno de 2 a 4h. Posteriormente segue-se um período de sonolência e sedação, que varia entre 1 a 3h.

Distribuição

Os canabinóides possuem elevada lipossolubilidade, ficando facilmente preso no revestimento dos pulmões, quando é fumado. Devido à sua lipossolubilidade, acumulam-se principalmente nos órgãos nos quais os níveis de gordura são mais elevados (por ex. cérebro, testículos e tecido adiposo). Alguns pacientes podem exibir os sinais e sintomas de intoxicação por até 12 a 24h, devido à liberação lenta dos canabinóides a partir do tecido adiposo.

Metabolização

O Delta-9-THC é rapidamente metabolizado no fígado.

Excreção

As principais formas de excreção são a urina, a bile, o leite materno e as fezes. A sua excreção pode estender-se de 3 a 7 dias, devido à sua alta lipossolubilidade, permanecendo armazenada no tecido adiposo do corpo. Nos usuários crônicos, a sua eliminação total pode levar até 30 dias. Os metabólicos são excretados principalmente pelas fezes e urina.

Efeitos Agudos

Alterações Fisiológicas

As principais alterações fisiológicas compreendem: a diminuição da acuidade auditiva, o aumento da acuidade visual, o aumento de peso corporal (possivelmente associados à maior retenção hídrica), o aumento da fome, a dilatação das vias aéreas, a tontura, a taquicardia. Normalmente os sintomas que compõem a intoxicação iniciam-se dentro de 2 horas após o uso da canábis. Ao exame físico, os principais sinais sugestivos de intoxicação induzida pela canábis são a hiperemia conjuntival causada pela vasodilatação dos vasos sangüíneos da conjuntiva; hipotermia, retardo psicomotor e midríase. Os usuários que fazem uso de doses elevadas de canábis podem evoluir com vasodilatação sangüínea, taquicardia e hipotensão ortostática. A taquicardia pode chegar entre 140 a 160 bpm. Não é letal, pois é transitória e semelhante às alterações do ritmo cardíaco que ocorrem nos exercícios físicos de intensidade média e no orgasmo sexual. Entretanto, os indivíduos com antecedentes cardíacos podem apresentar complicações graves (por ex. arritmias cardíacas) associadas ao aumento da demanda de oxigênio pelo tecido cardíaco. Nos indivíduos susceptíveis, isto é explicado pela diminuição do transporte de oxigênio aos tecidos, quando a canábis liga-se de forma competitiva com a hemoglobina. Além disso, retardo psicomotor, diminuição da capacidade para execução de atividades motoras complexas, incoordenação motora, boca seca, aumento da sede, tosse, diminuição da acuidade auditiva, aumento da acuidade visual, broncodilatação e tontura são outras alterações fisiológicas que podem estar presentes.

Dependência

Os usuários de doses elevadas de canábis podem desenvolver uma dependência física caracterizada por sintomas de abstinência leve e tolerância. Entretanto, na prática clínica é mais fácil evidenciar o padrão de uso compulsivo entre os usuários “pesados” de canábis. Aliás, o padrão de uso compulsivo é mais comum nos usuários das preparações com maior concentração de delta-9-THC (por ex. “haxixe”).

Tolerância

A tolerância ocorre, principalmente entre os usuários de grande quantidade de canábis, especialmente para os sintomas físicos de intoxicação (por ex. vasodilatação e taquicardia).



A Dependência da Maconha



Evidências para a dependência de maconha:



A partir dos anos 70 a crença a respeito de que a maconha não levava à tolerância e que não havia sintomas de abstinência foi mudado devido a um estudo em 1976 no qual ministravam doses de THC à voluntários por um período de 4 semanas, que ao final destas relatavam que "a maconha era muito mais fraca" e os sinais de abstinência também foram observados, com a retirada os pacientes apresentavam-se mais irritados, menos cooperativos, resistentes, hostis e queixaram-se de aumento de apetite e insônia, estes efeitos só diminuíram após três semanas. A síndrome de abstinência da maconha tem se apresentado com inquietude, ansiedade, disforia, irritabilidade, insônia, anorexia, tremores musculares, aumento dos reflexos, alterações de batimentos cardíacos, pressão sanguínea, suores e diarréia. A síndrome pode aparecer em torno de 10 horas de abstinência e atingir seu pico por volta das 48 horas.



A validade da dependência da maconha:



Os critérios para o diagnóstico da dependência de substâncias é baseado no conceito de síndrome de dependência de Edwards,1981. As características chaves são sintomas cognitivos, comportamentais e psicológicos indicando que o indivíduo continua a usar a substância apesar de problemas significativos relacionados a ela. Os critérios incluem tolerância, síndrome de abstinência, dificuldade de controlar o consumo, padrão de uso o que leva ao estreitamento do repertório do usuário.

Fonte

mortalha

Mensagens : 14
Data de inscrição : 08/07/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum