Cannabis.com.pt
Novo Fórum em:

forum.cannabis.com.pt

A guerra da Cannabis

Ir em baixo

A guerra da Cannabis

Mensagem por WhitBud em Ter Jul 28, 2009 7:04 am

A guerra da Cannabis
Thiago Rodrigues
Resenha do livro: BURGIERMAN, Denis; Maconha, São Paulo, Editora Abril, 2002, 121
pp.
O livro Maconha de Denis Burgierman, recém-editado pela Coleção Para Saber
Mais da Revista SuperInteressante, parte de uma postura virtuosa e arriscada: adentrar na
discussão sobre essa droga psicoativa de uso tão disseminado quanto de preconceitos
arraigados, com o objetivo de abrir um debate ponderado e desmistificador. O principal
alvo do autor é inaugurar um espaço de reflexão sobre a maconha que evite as
desinformações veiculadas pelas mídias, especialistas, oportunistas e discursos
governamentais. Ao concluir a leitura, percebe-se que a preocupação em colocar a o
problema da maconha em linguagem direta e acessível tornou possível a construção de um
texto claro e diferenciado no atual panorama jornalístico, e mesmo acadêmico, dos estudos
sobre psicoativos no Brasil.
A perspectiva do livro é crítica com relação à Proibição das drogas tal como
instituída em princípios do século XX em diversos países do globo, com destaque para os
Estados Unidos. Atravessa o texto de Burgierman um teor antiproibicionista que situa a
questão da maconha no quadro geral da Proibição, recordando que a reprovação desta droga
também se ampara em um lastro moral que condena a ebriedade em nome da saúde do
corpo, do espírito e da sociedade. Esse terreno no qual se erguem as leis e as posturas
antidrogas é o do rechaço moral e, portanto, dogmático, avesso à discussão e ao embate de
idéias. No entanto, Burgierman demonstra saber que crenças muito arraigadas só motivam
monólogos. Assim, o livro chama para o diálogo, procurando provocar indagações
múltiplas.
A contextualização da proibição da maconha no âmbito geral do Proibicionismo traz
à tona uma importante discussão: a ilegalidade das drogas psicoativas põe em marcha uma
guerra difusa, violenta e infindável. O teórico da guerra Karl von Clausewitz dizia que os
conflitos só aconteciam quando a diplomacia falhava. Daí sua famosa fórmula: “a guerra é
a política prolongada por outros meios”. Ele pensava, contudo, a guerra clássica: o embate
entre Estados soberanos. No entanto, com o narcotráfico as lutas que se estabelecem não
são dessa natureza. Há os Estados e suas políticas internacionais antidrogas (os EUA em
seu centro), mas a questão é muito mais complexa e envolve outros tantos feixes e relações
de poder. Cabe, então, lembrar o filósofo Michel Foucault, para quem os jogos de força e as
vitórias e derrotas cotidianas das forças sociais em luta constituem uma guerra infindável
que independe da declaração tradicional de guerra. Por isso, ele inverte a fórmula de
Clausewitz e diz: “a política é a guerra prolongada por outros meios”. Nesse quadro está a
Proibição, as práticas sociais que a sustentam, as estratégias diplomático-militares dos
Estados proibicionistas e as forças sociais que lutam por liberações. Desse modo, o livro
aponta com clareza a principal positividade da manutenção da Proibição: a ilegalidade
como um instrumento (não o único) para aprisionar aqueles que devem ser presos (negros,
mexicanos, camponeses, porto-riquenhos, etc.). Nesse sentido, o autor ousa ao dedicar um
capítulo (Capítulo IV) sobre a Proibição e seus efeitos chamando a atenção para a
medicalização da sociedade e para a produção do crime organizado a partir da ilegalidade.
Burgierman poderia ter se detido no Capítulo II, mas decidiu ir adiante, reforçando sua
posição. Importante, também, o panorama traçado por Burgierman das políticas de drogas
em diversos países. Essa exposição tem valor estratégico para defender políticas
progressistas e para mostrar para o leitor que existe outros modos de se lidar com o
problema sem ser a receita estadunidense. Não se deve esquecer que no Brasil a
potencialidade da política antidrogas é ainda pior do que nos EUA, já que ela corre o risco
de permanecer sob responsabilidade da Casa Militar. Nos EUA, apesar da diretriz
repressiva, a política antidrogas é da DEA (Drug Enforcement Administration), agência
federal civil
O autor faz questão de mostrar ao leitor que tentará elencar dados e análises que
foram produzidos com pretensa objetividade científica. Essa postura de saudável
desconfiança sofre, no entanto, alguns percalços ao longo da argumentação. A crença na
ciência e no poder de suas comprovações ainda povoa a mente e fornece os parâmetros de
análise do jornalista. A realização da Verdade por meio da prova sobrevive no discurso de
Burgierman. O ímpeto da busca pela verdade absoluta, mote das práticas religiosas, é
laicizada pela ciência, fato que não apaga a fé na existência de respostas finais e
reconfortantes.
avatar
WhitBud

Mensagens : 190
Data de inscrição : 06/07/2009

Sistema de Cultivo
Tipo de Cultivo:
Iluminação:
Substrato:

http://www.cannabis.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A guerra da Cannabis

Mensagem por WhitBud em Ter Jul 28, 2009 7:04 am

Ao longo do livro, surgem afirmações supostamente científicas (como o
desestímulo da maconha aos jovens, ou a importância das gestantes em não fumar). Um
bom exemplo se encontra na página 49: “pessoas com 16 anos ou menos, cujas
personalidades ainda não estão inteiramente formadas, que fumam todos os dias, tendem a
prejudicar seriamente os estudos e as relações familiares”. A frase traz questões complexas
e duvidosas: o que é personalidade? E o que significa dizer que ‘não estão formadas’?; ao
mesmo tempo o verbo ‘tender’ é forte, pois sugere uma forte probabilidade, assim como o
advérbio ‘seriamente’, vago e bombástico o suficiente para alimentar sensacionalismos; por
fim, educação e família são dois dos pilares da sociedade, mananciais dos ‘valores maiores
da vida comunal’; dizer que a maconha pode prejudicá-las fortalece o proibicionismo e seus
argumentos de fundo moral.
A distinção realizada pelo autor entre o uso ocasional (bom) e o freqüente (mal) é
difícil de se sustentar justamente por atrelar ao uso esses valores ‘bom’ e ‘mal’. A linha de
raciocínio do livro que desenha argumentos não alarmistas parece abrir, nesse momento,
uma concessão à postura proibicionista que se fia em dados científicos. Esse amparo na
ciência a legitima como produtora de uma ‘verdade verdadeira’ e não como mais uma
verdade entre tantas. A crítica a ela fica, então, abalada. Não se trata, logicamente, de uma
pregação do irracionalismo, mas há que se chamar a atenção para esse fato: um diálogo
com um discurso ou força com o qual se quer debater no qual se valorize seus termos pode
conferir a impressão (talvez não intencional) de que a ciência não é o alvo da crítica, mas,
ao contrário, uma “certa ciência corrompida”.
Há em adição pequenos problemas com algumas noções, elencadas abaixo:
Drogas leves e pesadas: o autor encampa essa distinção como faz boa parte dos que
defendem a maconha. Vale muito em tempos de Proibição justificar a legalização da
maconha tendo como base o fato dela ser pouco danosa à saúde ou, simplesmente, ‘leve’.
Não se pode esquecer, no entanto, que a defesa a maconha que se ampare na premissa de
que ela é ‘droga natural’ serve para justificar a permanência das outras tidas como
‘pesadas’ ou não-naturais – e tão diferentes entre si – como a cocaína ou o LSD. Insistir na
‘inocuidade natural’da maconha continua, assim, legitimando o discurso médico-sanitarista.
Não é um caminho adequado, a não ser que se pleiteie somente a legalização da maconha.
O Proibicionismo e o narcotráfico permanecem, assim, preservados
Dependência química: nesse ponto a imprecisão notada no livro pode levar a malentendidos.
Autores como Antonio Escohotado1 apresentam um outro tipo de classificação
das drogas que contesta com veemência a noção de dependência química para drogas
estimulantes (cocaína, chá, café), atribuindo poder de adição apenas para as apaziguadoras
(opiáceos principalmente). Em todo caso, ao comprar a idéia da dependência, fica reforçado
o argumento da inocuidade da maconha versus o perigo mortal das outras drogas
psicoativas ilegais. Fica aberto, também, o caminho para desviar o ‘usuário’ (categoria
médico-jurídica para lá de questionável) para os circuitos de tratamento compulsório da
Justiça Terapêutica. Os meios se transformam levemente, mas o controle permanece.
Permanece também a estigmatização de quem usa, tópico com o qual Burgierman preocupa
– e com razão – para a maconha.
Designação do usuário: logo de início Burgierman avisa que tratar o usuário de
maconha de ‘maconheiro’ não tem caráter pejorativo e essa decisão é interessante, pois
evita o culto ao politicamente correto. Entretanto, há outras referências como ‘chapado’
que se encaixam na visão estereotipada que o próprio autor identifica e combate.
O estilo: a leitura, como comentado acima, é agradável e fluída. Algumas
interferências são tributárias da demasiada leveza que talvez seja ditada pelo manual de
estilo da SuperInteressante. Em todo caso, há comentários desnecessários como o da pg. 55
sobre fumar maconha e dirigir: “(meu Deus, a embreagem vem antes ou depois?)”. Pode ser
espirituoso, mas é preconceituoso. O livro deve ser acessível, tendo em vista o público a
que se destina; isso, no entanto, não abole a preocupação com o poder da palavra impressa.
Não é preciso confundir seriedade com sisudez.
Alternativas: a urgência do autor em encontrar políticas e encaminhamentos é
compreensível, todavia, em Burgierman se nota certa crença demasiada na capacidade das
leis em reformar e manter as garantias individuais. É evidente que entre um Estado de
Direito e sua matriz liberal e um Estado de Exceção (de esquerda ou direita), a opção pelo
Estado liberal é inquestionável. Poder-se-ia, ao menos, proteger-se atrás das noções de
liberdade e garantias individuais. E isso não é pouco.
avatar
WhitBud

Mensagens : 190
Data de inscrição : 06/07/2009

Sistema de Cultivo
Tipo de Cultivo:
Iluminação:
Substrato:

http://www.cannabis.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A guerra da Cannabis

Mensagem por WhitBud em Ter Jul 28, 2009 7:05 am

No entanto, o que se vê é uma situação híbrida: há o Estado de Direito, mas não na forma preconizada pelo liberalismo
clássico. Ele está permeado pelos princípios do Estado Providência ou Estado do Bem-
Estar Social que se preocupa com os desvalidos do mundo. Essa postura complacente da
autoridade pública para com quem nada tem, o reconhecimento da questão social, tem um
lado complicador para quem lida com políticas de liberação de drogas: o discurso do bempúblico
vem se sobrepondo historicamente ao da liberdade individual. Isso estabelece
vínculos com o discurso e a prática médico-sanitarista.
Esse embate é tradicional na filosofia política: quem tem primazia, a comunidade ou
o indivíduo? John Locke defendia a comunidade, mas só depois do homem. Os marxistas
acreditam na comunidade e no destino coletivo. E as drogas nisso? É complicado acreditar
num avanço significativo da liberdade em se consumir drogas em curto prazo. Contudo, há
possíveis caminhos em meio ao conservadorismo contemporâneo. Não é difícil, por
exemplo, que as pessoas medianamente informadas compreendam a relação que existe
entre Proibição e narcotráfico, mesmo que não defendam o uso de drogas. Isso é um avanço
e uma porta para adentrar estrategicamente quando se pensa em políticas alternativas.
No entanto, a prescrição de rumos é tarefa arriscada, pois reforça a noção de que
possa haver modelos verdadeiros ou universalmente melhores. O desfio que se coloca é:
como encontrar trilhas que não recaiam no receituário representado pelas legislações
atuais? Como pensar soluções locais que prescindam da transcendentalidade da Lei, já que
é no local em que se vive e não nos modelos? Há vida no contato e não na abstração.
Soluções universais são reprodutoras de normalizações: condutas impostas, ditadas,
comandadas. No caso das drogas, em que a questão da escolha para si é ainda mais
evidente, é complicado conceber soluções legais universalistas. Como estratégia, no
entanto, é legítimo que se pense em políticas progressistas como a redução de danos,
descriminalização, legalização liberal ou estatizante, etc.
Em seu livro, Denis Burgierman se expõe e demonstra arrojo e desassombro. Sabese
que ele, como jornalista, não é um estudioso do tema das drogas, mas sua iniciativa entra
num debate acirrado e crispado de violências e preconceitos. O autor assumiu o risco de
trafegar nesse campo e isso é louvável. O livro suscita questões e impede o comodismo,
atitudes em nada desprezíveis em tempos de letargia e reprodução de fórmulas desgastadas
e irrefletidas.

1 ESCOHOTADO, Antonio; O livro das drogas, São Paulo, Dynamis Editorial,1997.
avatar
WhitBud

Mensagens : 190
Data de inscrição : 06/07/2009

Sistema de Cultivo
Tipo de Cultivo:
Iluminação:
Substrato:

http://www.cannabis.com.pt

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A guerra da Cannabis

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum